Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Brasil

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Sífilis em parturientes no Brasil: prevalência e fatores associados, 2010 a 2011 / Syphilis in parturient women in Brazil: prevalence and associated factors, 2010 to 2011 / Syphilis in parturients in Brazil: prevalence and associated factors, 2010 to 2011

Cunha, Alessandro Ricardo Caruso da; Merchan-Hamann, Edgar.
Rev. panam. salud pública; 38(6): 479-486, nov.-dic. 2015. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-788106

OBJETIVO:

Estimar a prevalência e investigar os fatores associados à sífilis em parturientes no Brasil.

MÉTODOS:

Estudo transversal de base populacional, nacional, com representatividade regional, realizado com parturientes de 15 a 49 anos de idade atendidas em maternidades do sistema público de saúde e conveniadas, de janeiro de 2010 a dezembro de 2011. Para investigação da sífilis, realizou-se triagem com teste rápido treponêmico. A confirmação diagnóstica baseou-se no ensaio não treponêmico Venereal Disease Research Laboratory (VDRL) e em ensaios treponêmicos adicionais. Um questionário estruturado foi aplicado para coleta de variáveis sociodemográficas e clínicas. Informações acerca do pré-natal foram obtidas no cartão pré-natal e registros médicos. Os fatores associados foram verificados por meio da razão de prevalência, estimada pelo modelo de regressão logística.

RESULTADOS:

Foram analisadas informações de 36 713 parturientes. A prevalência geral da sífilis foi estimada no país em 0,89%; nas regiões Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste, foi de 1,05%, 1,14%, 0,73%, 0,48% e 1,20%, respectivamente. A soropositividade associou-se a não realização do pré-natal, menor número de consultas e início tardio do pré-natal. Das parturientes diagnosticadas durante o pré-natal, 53,1% permaneciam infectadas no parto. As parturientes de raça/cor amarela, preta e parda e as de menor escolaridade apresentaram maior risco para sífilis do que as de raça/cor branca e as de maior escolaridade.

CONCLUSÕES:

Houve redução da prevalência da sífilis no Brasil. Porém, esse agravo ainda está associado a desigualdades sociais e regionais.
Biblioteca responsável: BR1.1
Selo DaSilva