Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Brasil

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Tendência da hanseníase em menores de 15 anos no Brasil, 2001-2016 / Tendencia de la hanseniasis en menores de 15años en Brasil, 2001-2016 / Leprosy trends in children under 15 years of age in Brazil, 2001-2016

Schneider, Priscila Barros; Freitas, Bruna Hinnah Borges Martins de.
Cad. saúde pública; 34(4): e00101817-11, 2018. tab, graf
Artigo em Português | INTEGRALIDADE, FIOCRUZ | ID: int-5424
O objetivo foi analisar a tendência das taxas de detecção de hanseníase em menores de 15 anos no Brasil, no período de 2001 a 2016. Trata-se de um estudo de série temporal, utilizando o procedimento de Prais-Winsten para análise de regressão linear generalizada com nível de significância de 5%. A média da taxa de detecção foi de 5,77 por 100 mil habitantes. Entretanto,observou-se uma tendência decrescente dessa taxa, com annual percent change (APC) de -5% (IC95% -6,7; -3,3). Verificou-se tendência decrescente em todas as regiões do país. Entre as regiões, a Norte foi a que manteve a média hiperendêmica (≥ 10,00 por 100 mil habitantes) da taxa de detecção. A série temporal em 19 Unidades da Federação (UF) foi decrescente. Todavia, entre elas, muitas mantiveram média hiperendêmica, como Mato Grosso, Pará,Maranhão, Rondônia, Roraima, Pernambuco, Piauí e Acre. Entre as oito UFque apresentaram tendência estacionária, Tocantins manteve média hiper endêmica no período. Das 24 capitais brasileiras incluídas no estudo, 14 delas foram decrescentes e 10 estacionárias. Embora com tendência decrescente dos casos novos, algumas capitais mantiveram a média hiperendêmica como Teresina, Recife, Cuiabá, Boa Vista, Rio Branco e Belém. Apesar de apresentarem tendência estacionária, as capitais Palmas e São Luís registraram média hiperendêmica. Conclui-se que, embora a análise da tendência foi decrescente no Brasil, houve presença de tendências estacionárias e hiper endemicidade em algumas UF e capitais brasileiras, o que demonstra a permanência de fontes de transmissibilidade e dificuldade na eliminação da hanseníase no país (AU)
Biblioteca responsável: BR433.1
Localização: BR433.1
Selo DaSilva