Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Brasil

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Adherencia de los profesionales al protocolo de manejo y red de apoyo familiar de sífilis gestacional y congénita / Adhesion of professionals to management protocol and gestational and congenital syphilis family support network / A adesão dos profissionais e gestão de suporte de rede família de protocolos de gestação e sífilis congênita

Tobón Borrero, Luz Myriam; Navarro Toro, Claudia Inés; García Baquero, Mónica Rosaura.
Rev. cienc. cuidad; 11(2): 19-30, 2014.
Artigo em Espanhol | LILACS, COLNAL | ID: biblio-906791

Objetivo:

Para determinar a aderência do protocolo médico e de enfermagem da sífiliscongênita e gestacional implementado pelo Ministério para os profissionais de proteção.

Materiais e Métodos:

Estudo descritivo longitudinal com uma população de 215 grávida e uma amostra de 11 mulheres grávidas diagnosticadas com sífilis gestacionalem 10 municípios de um departamento na Colômbia, entre fevereiro e abril de 2013, foram utilizados como instrumentos a Familiograma, Faces III lista de verificação (Olson) protocolo. Medidas de tendência central. A participação voluntária sob consentimento informado.

Resultados:

A média da população quer dizer 20 anos, baixa escolaridade, donas de casa, união, todos os filiados para a segurança social. Os 60% é famílias nucleares, enfrenta III 50% famíliasequilibradas, 30% moderada e 20% extremas. Protocolo Um as mulheres grávidas não tinha o pré-natal. 54,5% não relataram fatores de risco, diagnósticode 60,3% no terceiro trimestre, 36,3% recém-nascidos com sífilis congênita, semacompanhamento sorológico é registrado, não há registro educacional para o paciente ou do parceiro, sem avaliação pele genital ou no exame físico de mulheres grávidas, recém-nascidos atenção incompleta, desde o tratamento adequado.

Conclusões:

A prevalencia de nuclear e equilibrada, com capacidade de aprender com as crises familiares. Sem plena adesão ao protocolo, nenhum monitoramento por profissionais que prestam cuidados e atenção para o utente. Falta de educação continuada sobre o assunto para enfermeiro como líder doprocesso na região é evidente
Biblioteca responsável: CO648.1
Selo DaSilva