Your browser doesn't support javascript.

BVS APS

Atenção Primária à Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Classificação de risco em pediatria realizada por enfermeiros com enfoque nas condições clínicas / Risk classification in pediatrics made by nurses focusing on clinical conditions

Veras, Joelna Eline Gomes Lacerda de Freitas; Teixeira, Olinda Costa Mota; Joventino, Emanuella Silva; Lima, Francisca Elisângela Teixeira; Aguiar, Maria Isis Freire de; Barbosa, Lorena Pinheiro.
Rev Rene (Online); 20: e40928, 2019. tab
Artigo em Português | LILACS | 2019 | ID: biblio-1040982
Resumo: Objetivo verificar associação entre a classificação de risco realizada por enfermeiros e as condições clínicas apresentadas por crianças e adolescentes. Métodos estudo transversal, realizado com 397 crianças/adolescentes na emergência de hospital público de nível secundário. Utilizaram-se, na coleta de dados, de formulário, contendo dados sociodemográficos e clínicos; e do Guia de Acolhimento com Classificação de Risco em Pediatria validado. Resultados não houve associação significativa entre características sociodemográficas das crianças e classificação de risco. Predominaram crianças do sexo feminino, idade entre um e cinco anos e peso adequado para faixa etária. Houve associação significativa (p<0,005) entre classificações de risco adotadas, discriminadores de risco (p=0,001), procedimentos realizados (p<0,001) e destino do paciente (p=0,013). Conclusão a associação entre classificação de risco adotada e variáveis clínicas pediátricas confirma o grau de complexidade apresentado por crianças/adolescentes, favorecendo avaliação clínica assertiva por enfermeiros no acolhimento.
Objective to verify the association between the classification of risk made by the nurses and the clinical conditions presented by children and adolescents. Methods a cross - sectional study was carried out with 397 children/adolescents in the emergency room of a public secondary hospital. In the data collection, a formulary was used, containing sociodemographic and clinical data; and the Guideline for Acceptance with Risk Rating in Pediatrics. Results there was no significant association between the socio-demographic characteristics of the children and risk classification. They were female, aged between one and five years and weight appropriate for the age group. There was a significant association (p<0.005) between risk ratings, risk discriminators (p=0.001), procedures performed (p<0.001) and patient's destination (p=0.013). Conclusion the association between adopted risk classification and pediatric clinical variables confirms the degree of complexity presented by children/adolescents, favoring assertive clinical evaluation by the host nurse.
Biblioteca responsável: BR6.1