Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Brasil

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Uma década de acompanhamento dos portadores de hanseníase no ambulatório de dermatologia de um hospital-escola / A decade of following-up of leprosy patients at the dermatology aoutpatient clinic of a teaching hospital

Curto, Márcio; Paschoal, Vânia D'A.
Arq. ciênc. saúde; 12(4): 183-195, out.-dez. 2005. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-463647
A fase de pós-eliminação da Hanseníase determinada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é que o número de portadores da doença encontre-se abaixo de um por 10.000 habitantes. A cidade de São José do Rio Preto, com índices epidemiológicos cada vez menores, deve organizar-se para esse objetivo. Nos últimos oito anos, com a implantação do Sistema de Controle de Doenças de Notificação (SINAN), tornou-se mais rápida a análise de informações de um município. Contudo, até os dias atuais, os dados são notificados de forma manual. Estes dados são compilados de diversas fontes como prontuários e fichas de cadastro e controle de comunicantes feitos pela Enfermagem, e ainda assim o acesso a todos esses dados não oferece facilidade para a coleta de informações. No intento de facilitar o reconhecimento dos dados e da real situação de 217 pacientes e seus comunicantes intradomiciliares, foi criado, por meio desse estudo um banco de dados computadorizado, no qual constam informações do período de 1993 a 2005. Os dados foram coletados das fichas de controle do Ambulatório de Dermatologia do Hospital de Base e foram introduzidos em planilhas do Microsoft Excel. Sendo assim, com a análise das variáveis enfatizando as dificuldades e facilidades que este banco oferece, pôde-se dividir o número de pacientes encontrados em pólos regionais já estabelecidos pela Secretaria de Saúde do Município de São José do Rio Preto, segundo as áreas preconizadas pela prefeitura e as áreas de abrangência das Unidades Básicas de Saúde e ademais conhecer a realidade do controle dos comunicantesno Programa de controle da Hanseníase. Com a tabulação desses dados, podem ser realizadas assistência,controle e pesquisa pelos profissionais da área da saúde do município, os quais terão melhores possibilidadesde acesso às informações referentes à hanseníase nesta cidade.
Biblioteca responsável: BR13.3
Selo DaSilva