Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Brasil

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Uso regular de plantas medicinais para fins terapêuticos em famílias residentes na zona rural de Santo Antônio de Jesus ­ Bahia ­ Brasil / Regular use of plants for therapeutic purposes in families resident in the rural area of Santo Antônio de Jesus - Bahia - Brazil

Santos, Raíssa da Silva; Mota, Luiz Henrique Silva; Marques, Bruno Carvalho; Reis, Leonardo Bispo; Silva, Caillan Farias Silva; Lima, Darcy Andrade Cardoso; Albuquerque, Wesley Araújo; Deiró, Luan Rocha; Amor, Ana Lúcia Moreno.
J. Health Biol. Sci. (Online); 5(4): 364-370, out-dez/2017. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-875517

INTRODUÇÃO:

O uso de plantas medicinais é uma prática comum de cuidado primário nas populações em geral. Foi introduzido no Brasil, por influência das culturas indígena, africana e europeia e caracteriza-se por ser oriundo do conhecimento e da tradição popular.

OBJETIVOS:

Sendo o Recôncavo da Bahia uma região de forte influência africana, o objetivo deste estudo foi investigar o uso das principais plantas medicinais e identificar seu uso pela população de um de seus municípios, valorizando o acervo cultural e o saber popular de seus moradores quanto aos benefícios que essas plantas trazem para a população.

METODOLOGIA:

Para a obtenção dos dados, foi aplicado um questionário sociodemográfico, contendo questões sobre o uso de plantas para fins medicinais em chás ou xaropes com 154 entrevistados.

RESULTADOS:

Desse universo de pessoas, 74,71% tinham o costume de usar remédios caseiros e 60,0% eram do gênero feminino. Os vegetais mais citados para fins medicinais foram: Lippia alba (n=71), Cymbopogon citratus (n=31), Pimpinella anisum (n=30), Peumus boldus (n=14), Plantago major e Ocimum basilicum (n=13 cada); sendo utilizados principalmente como calmante, dores em geral e contra gases. Quanto ao local de obtenção dos vegetais, os entrevistados cultivavam a planta (94,6%), pegavam do cultivo de amigos e vizinhos (1,8%), compravam na feira livre (1,8%), compravam em farmácia ou adquiriam de outros lugares (0,9%).

CONCLUSÕES:

Os dados evidenciam a relevância da prática do uso de plantas para manutenção da saúde dos moradores do município pesquisado, sendo parte integrante de seu contexto sociocultural. As diferentes finalidades do uso de plantas para fins medicinais mostram que mais estudos são necessários para avaliar as propriedades dessas plantas e seus efeitos no organismo humano. (AU)
Biblioteca responsável: BR1780.2
Selo DaSilva