Your browser doesn't support javascript.

BVS APS

Atenção Primária à Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Effect of bone marrow mononuclear cells plus platelet-rich plasma in femoral bone repair model in rats / Modelo experimental em ratos no reparo ósseo do fêmur utilizando células mononucleares no plasma rico em plaquetas

Kopschina, Marcia Illana; Marinowic, Daniel Rodrigo; Klein, Caroline Peres; Araújo, Camilla Assad; Freitas, Tiago Alexi; Hoff, Gabriela; Silva, Jefferson Braga da.
Braz. j. vet. res. anim. sci; 49(3): 179-184, 2012.
Artigo em Inglês | VETINDEX | 2012 | ID: vti-3707
Resumo: Mononuclear cells from bone marrow have been used in various treatments of diseases in an attempt to regenerate tissues. The objective of this study was to evaluate the accession and proliferation of mononuclear cells in a critical defect, with the addition of platelet-rich plasma (PRP) and / or TGF-β1 (transforming growth factor beta 1), and then to evaluate bone repair at defective sites on the femurs of rats. We created a critical defect on the bilateral femurs of 33 Wistar-Kyoto rats. Mononuclear bone marrow cells, TGF-β and PRP were added to the lesion on the treated side and saline on the contralateral side. We determined the adhesion of mononuclear cells at the critical defect and bone repair. The presence and consequent adhesion of the mononuclear cells administered to the treated animals was not demonstrated by PCR. Radiographic analysis showed closure of the lesion, but we could not affirm that this resulted from the treatments administered or by normal bone regeneration itself, when the lesion was evaluated at 6 and 10 weeks postoperative, seeing that there were no significant differences between the groups. Conclusions: a) Bone marrow mononuclear cells did not adhere at the critical defect created in the rat femur; b) It was not possible to determine the efficiency of the bone repair treatments studied, as the results did not show significant differences between the groups.(AU)
As células mononucleares da medula óssea têm sido utilizadas em diversas afecções na tentativa de regeneração tecidual. O objetivo deste estudo foi o de avaliar a adesão das células mononucleares sobre defeito crítico, com a adição do plasma rico em plaquetas PRP) e / ou TGF-β1 (Fator de crescimento transformador Beta 1), e, por fim, verificar o reparo ósseo dos sítios defeituosos dos fêmures dos ratos. Foi criado um defeito bilateral critico nos fêmures de 33 Wistar-Kyoto ratos. Células mononucleares de medula óssea, TGF-β e PRP foram adicionadas no lado tratado da lesão e soro fisiológico no lado contralateral. Determinou-se a adesão de células mononucleares sobre o defeito crítico e reparo ósseo. A presença e consequente adesão das células mononucleares administradas nos animais tratados não foi evidenciada através da técnica de PCR. As análises radiológicas evidenciam fechamento da lesão, porém, nós não podemos afirmar que foi pelos tratamentos administrados ou pela própria regeneração óssea, quando analisadas em seis e 10 semanas pós-operatórias, haja visto não apresentarem diferenças significantes entre os grupos. Conclusões: a) As células mononucleares não aderiram ao defeito crítico criado no fêmur do rato; b) Não foi possível avaliar a eficiência As células mononucleares da medula óssea têm sido utilizadas em diversas afecções na tentativa de regeneração adição do plasma rico em plaquetas PRP) e / ou TGF-β1 (Fator de crescimento transformador Beta 1), e, por fim, verificar o reparo ósseo dos sítios defeituosos dos fêmures dos ratos. Foi criado um defeito bilateral critico nos fêmures de 33 Wistar-Kyoto ratos. Células mononucleares de medula óssea, TGF-β e PRP foram adicionadas no lado tratado da lesão e soro fisiológico no lado contralateral. Determinou-se a adesão de células mononucleares sobre o defeito crítico e reparo ósseo. A presença e consequente adesão das células mononucleares administradas nos animais tratados não foi evidenciada através da técnica de PCR. As análises radiológicas evidenciam fechamento da lesão, porém, nós não podemos afirmar que foi pelos tratamentos administrados ou pela própria regeneração óssea, quando analisadas em seis e 10 semanas pós-operatórias, haja visto não apresentarem diferenças significantes entre os grupos. Conclusões: a) As células mononucleares não aderiram ao defeito crítico criado no fêmur do rato; b) Não foi possível avaliar a eficiência dos tratamentos propostos para o reparo ósseo, por não apresentarem diferenças significativas entre os grupos.(au) PT
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1