Your browser doesn't support javascript.

BVS APS

Atenção Primária à Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Devemos rastrear sífilis em idoso com espectro clínico de demência?

Núcleo de Telessaúde Espírito Santo | Segunda Opinião Formativa | 05 Jun 2018 | ID: sof-36665
Resposta:

A Neurossífilis pode causar vários tipos de síndromes neuropsiquiátricas. Era causa frequente de demência antes do aparecimento e disseminação do uso da penicilina no tratamento das fases iniciais da doença1,3. Atualmente não é frequente3,  mas, embora incomum, a doença deve fazer parte do diagnóstico diferencial em pessoas de meia idade ou idosas, com deterioração cognitiva e/ou alteração de comportamento de início recente, principalmente em populações menos favorecidas socialmente1,2,4.  Assim, como é muito simples excluir o diagnóstico de neurossífilis mediante teste treponêmico no sangue, este teste deve ser realizado em todo paciente com sintomas neuropsiquiátricos. Se os dados clínicos e laboratoriais forem sugestivos de processo infeccioso crônico, deve ser feito o exame do Líquido Cefalorraquidiano (LCR), pois a época em que o diagnóstico é estabelecido determinará o sucesso do tratamento 3,4.