Your browser doesn't support javascript.

BVS APS

Atenção Primária à Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

A integralidade na Terapia Floral e a viabilidade de sua inserção no Sistema Único de Saúde / Integralidad de la Terapia Floral y la viabilidad de su incorporación al Sistema Unificado de Salud / Floral Therapy’s integrality and the viability of its incorporation to Unified Health System

Neves, Luciana Cohen Persiano; Selli, Lucilda; Junges, Roque.
Mundo saúde (1995); 34(1): 57-64, jan.-mar. 2010.
Artigo em Português, Espanhol | MS | Mar 2010 | ID: mis-24453
Resumo: Este estudo teve por objetivo discutir a inclusão da Terapia Floral nas práticas terapêuticas do Sistema Único de Saúde (SUS), como estratégia da concretização do princípio de integralidade na atenção à saúde do usuário. Trata-se de um estudo qualitativo e exploratório, que utilizou como categorias norteadoras: o “emocional/físico”, a “singularidade”, a “resolutividade” e a “inserção no SUS”. Os dados foram coletados a partir de entrevistas com usuários da Terapia Floral e com profissionais do Centro de Saúde Modelo (CSM), uma unidade básica do SUS em Porto Alegre (RS). Os resultados indicaram que a Terapia Floral, ao tratar os sujeitos como seres singulares e na sua totalidade, permite uma atenção diferenciada. Na busca pela concretização da integralidade, os profissionais do CSM apontam como limitações: a formação dos profissionais, baseada em um paradigma biologicista/mecanicista; as sub-especializações; e a falta de recursos, principalmente financeiros. Em contrapartida, esta pesquisa constatou o baixo custo das práticas não alopáticas, incluindo-se também a Terapia Floral. A Terapia Floral é uma terapia coerente com os princípios do SUS e pode favorecer a resolutividade do sistema.Desta forma, seria oportuno e viável que ela fosse valorizada por suas peculiaridades e integrada ao SUS, sendo reconhecida e disponibilizada como opção terapêutica a toda população, para que possa contribuir na garantia da integralidade na atenção em saúde. (AU)
Este estudio defiende la incorporación de la terapia floral a las prácticas terapéuticas del Sistema Unificado de Salud (SUS) como estrategia para hacer concreto el principio de la asistencia integral a la salud. Es un estudio cualitativo y exploratorio basado en las categorías rectoras: “emocional/físico”, “singularidad”, “eficacia” y “inserción en SUS”. Los datos vienen de entrevistas con los usuarios de la terapia floral y profesionales de un centro de salud modelo (CSM), una unidad básica del SUS en Porto Alegre (RS). Los resultados demuestran que la terapia floral, debido a tratar a pacientes como seres singulares e integrales, permite una atención distinguida. En la búsqueda de integralidad, los profesionales del CSM señalan como limitaciones: entrenamiento profesional basado en un paradigma mecanicista y biologista; subespecializaciones; y la carencia de recursos, principalmente financieros. Por una parte, esta investigacióne videnció que prácticas no alopáticas tales como terapia floral son de bajo costo. La terapia floral es una terapia coherente con los principios del SUS y puede favorecer la eficacia del sistema. Así, sería oportuno y viable que la terapia floral sea evaluada por sus particularidades e integrada al SUS, siendo reconocida y disponible como opción terapéutica a la población, de modo que pueda contribuir a garantizar la asistencia integral a la salud. (AU)
This study aims to argue for incorporating Floral Therapy to Unified Health System (SUS) therapeutic practices as a strategy for making concrete the principle of integral health assistance. It is a qualitative and exploratory study based on the guiding categories: “emotional/physical”, “singularity”, “efficaciousness” and “insertion in SUS”. Data were collected from interviews with Floral Therapy usersand professionals of a Model Health Center (CSM), a Basic Unit of SUS in Porto Alegre (RS). Results show that Floral Therapy, due to treating patients as singular and wholly beings, allows for a differentiated attention. In seeking integrality, professionals of CSM point aslimitations: professional training based in a mechanist and biologicist paradigm; sub-specializations; and the lack of resources, mainly financial. On the other hand, this research evidenced non allopathic practices such as Floral Therapy to be low cost. Floral Therapy isa therapy consistent with SUS principles and may favor the system efficaciousness. Thus, it would be opportune and viable that Floral Therapy be evaluated by its peculiarities and integrated to SUS, being recognized and made available as a therapeutic option to the population, so that it can contribute in guaranteeing integral health assistance . (AU)
Biblioteca responsável: BR599.1
Localização: BR599.1