Your browser doesn't support javascript.

BVS APS

Atenção Primária à Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Fatores associados à utilização do teste de Papanicolaou entre mulheres idosas no interior do Brasil / Factors associated with the use of the Papanicolaou smear screening among older women in the interior of Brazil

Freitas, Mônica Cristina Marzullo de; Ribeiro, Luiz Cláudio; Vieira, Marcel de Toledo; Teixeira, Maria Teresa Bustamante; Bastos, Ronaldo Rocha; Leite, Isabel Cristina Gonçalves.
Rev. bras. ginecol. obstet; 34(9): 432-437, set. 2012. tab
Artigo em Português | LILACS | Set 2012 | ID: lil-656781
Resumo: OBJETIVOS: Verificar a cobertura, pelo teste de Papanicolaou, de idosas e os fatores associados. MÉTODOS: Foi desenvolvido um estudo de base populacional com inquérito domiciliar. Os critérios de inclusão foram mulheres com 60 anos de idade ou mais, com residência na zona norte do município de Juiz de Fora, com independência para responder ao questionário ou que dispusessem de informante. A entrevista foi composta por questões sociodemográficas, referentes ao estado geral de saúde das idosas, e sobre a prática preventiva em saúde da mulher. A seleção se deu por amostragem aleatória estratificada e conglomerada em múltiplos estágios. Para a análise dos fatores de associação, elaborou-se um modelo teórico com três blocos hierarquizados de variáveis, ajustadas entre si em cada um deles. As variáveis que obtiveram nível de significância menor ou igual a 0,2 foram incluídas no modelo de regressão de Poisson e ajustadas ao nível superior ao seu (p<0,1). RESULTADOS: A submissão ao Papanicolaou foi de 84,1% (IC95% 79,0-88,4). A partir da regressão multivariada, três variáveis permaneceram associadas ao acesso ao teste de Papanicolaou: a situação conjugal "sem companheiro" (idosas solteiras, viúvas, separadas e divorciadas), a independência para execução das Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVDs) e a adesão ao exame de mamografia. Na análise interblocos estas variáveis continuaram significativamente associadas à de desfecho, e a independência para as AIVDs apresentou o mais alto poder de associação. CONCLUSÕES: Entre as idosas que compuseram a amostra estudada, observou-se variação acerca da utilização do teste de Papanicolaou. Uma adequação das políticas públicas de saúde em prol da formulação de diretrizes que priorizem o atendimento preventivo em caráter universal pode ser uma alternativa para solucionar as disparidades encontradas.
PURPOSE: To verify the coverage, by Pap testing, of older women and the associated factors. METHODS: A population-based study was conducted by home interviews. The inclusion criteria were women aged 60 and over, living on the north side of the city of Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil, self-sufficient to answer the questionnaire or having someone to answer on their behalf. The interview consisted of sociodemographic questions, regarding the general health of the older women, and preventive practices in women's health. The selection was made by random sampling, stratified and clustered in multiple stages. To analyze associated factors, a theoretical model was formulated with three hierarchical blocks of variables, adjusted to each other in each block. The variables that had a level of significance of 0.2 or less were included in the Poisson regression model and adjusted to their next highest level (p<0.1). RESULTS: Pap testing occurred in 84.1% of cases (95%CI 79.0-88.4). Based on multivariate regression analysis, three variables remained significantly associated with access to Pap testing: the marital status "without partner" (older women who were single, widowed, separated or divorced), self-sufficiency to perform Instrumental Activities of Daily Living (IADLs) and adherence to mammography. In the interblock analysis these variables remained significantly associated with the outcome variable, and self-sufficiency for IADLs had the highest association. CONCLUSIONS: Among the older women comprising the study sample, was observed variation in the use of Pap testing. An adjustment of public health policies towards the formulation of policies giving priority to universal preventive care may be an alternative to solve the disparities observed.
Biblioteca responsável: BR1.1